segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Como as segundas me fazem sentir...

Segunda-feira sempre é chata. Sempre. Dá uma baita sensação de que o teu tempo acabou, e também que tu não tá organizado como deve. Mesmo que tudo esteja no lugar. Mesmo que tudo esteja como sempre esteve. E então o difícil é aceitar que a nossa vida seja uma coisa em desordem, eternamente dando trabalho, eternamente em expediente, do tipo: hey, precisa começar a fazer isso, parar de fazer isso, fazer mais disso, um pouco menos daquilo, ser mais assim ou assado. Que canseira, meu Deus. Mas daí parece que isso é papo de gente velha, que já perdeu o vigor, sabe? Do tipo: agora tudo é serviço. Falando sério, o que faz com que a gente não canse muito é a motivação, o desejo. Se isso diminui, tudo vira encrenca. E uma segunda é apenas mais uma confirmação de que tu não resolveu nada do que devia.
Isso me lembrou uma noite de conversa com amigos queridos: o que me faz ficar agarrada à melancolia, ao negativo? Também foi uma amiga que me disse que pra vida correr bem, pra gente acertar a rotina, temos que nos esforçar. Acho que é quase tanto psicológico quanto físico. A gente precisa sofrer um pouco pra se tratar bem. Como a mãe sofre e cansa um pouco porque ama o filho e está sempre ali pra ele. Estou começando com as coisas pequenas, mas confesso, que não acho elas menos complicadas de manter. A organização que mais sinto falta é aquela que dedica seu tempo e seu propósito à minha própria felicidade. As responsabilidades estão mais ou menos ok. Digo mais ou menos porque as continhas às vezes atrasam um pouco, mas são sempre pagas. A comida às vezes não sai lá essas coisas, mas tá sempre na mesa. A casa às vezes tá um pouquinho suja, mas é só um pouquinho. E o trabalho, às vezes é meio empurrado com a barriga, assim, meio com preguiça, meio sem vontade, mas ele é sempre feito no fim das contas. Sabe o que não é sempre feito? Seja bem ou mal? Aquele cuidado com a gente, unicamente e especialmente pra gente, pra que sintamos que num domingo você fez algo de que gostou bastante, e que o tempo que teve pra si, você soube se dar prazer, estar confortável na sua própria pele. Nem que seja com as pequenas coisas. Um banho bem demorado, aquele sono até tua cabeça ficar leve, aquele respirar de ar puro, aquela escrita que desafoga as mágoas, aquela leitura que faz você sentir o espírito em outros lugares. Na verdade, acho que eu ando comendo as horas. Assim, quase sem ver, apenas como quem almoça porque é meio dia. (Marieli A. Becker).

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Que texto maravilhoso
    flui dentro da gente
    feito um encanto
    de coisinhas
    delicadas,
    sinceras,
    mágicas
    ...


    Beijo carinhoso.

    ResponderExcluir